000primeira
020opiniao
030local
081jete
090cambios
091tempo
092ultima


 



 
  N°4221 (Nova Série), Sexta-Feira, 1 de Mar¬o de 2013
03009
CANADÁ COMEÇOU JULGAMENTO DE ALEGADO LÍDER DE SEITA DE MACAU
“14K” terá oferecido um milhão para matar rival

Com base em escutas telefónicas, a polícia canadiana diz ter descoberto no final da década de 90 um plano da seita “14K” para matar Lai Tong Sang, um dos rivais do grupo liderado por “Dente Partido”. A revelação foi feita no início do julgamento de Lai, em Vancouver

Lai Tong Sang, de 59 anos, alegado líder de uma seita de Macau, vive há 17 anos no Canadá, de onde arrisca ser agora expulso por suspeitas de envolvimento com tríades.
As autoridades canadianas querem expulsar Lai, bem como a mulher e os três filhos, por aquele não ter revelado a sua alegada ligação a uma organização criminosa de Macau quando pediu a residência permanente no Canadá, em 1996, que conseguiu em Outubro do mesmo ano.
De acordo com vários jornais do Canadá e Hong Kong, as autoridades canadianas não pretendem, no entanto, provar nenhuma actividade criminosa.
Estas alegações surgem na sequência da revelação do conteúdo de escutas telefónicas feitas a Lai e a alegados rivais no final da década de 90, feita por um agente da polícia canadiana na primeira audiência do julgamento que enfrenta em Vancouver, na terça-feira.
O agente da polícia explicou que as escutas telefónicas permitiram confirmar que Lai era líder de uma tríade, já que um alegado membro da seita “14K” em Hong Kong foi ouvido a perguntar a um indivíduo de Vancouver se o seu chefe aceitava um milhão de dólares de Hong Kong para matar Lai.
Segundo a mesma fonte, as autoridades canadianas autorizaram depois escutas ao telefone de Lai, tendo sido ouvidas conversas, durante as quais alegados membros de tríades em Macau contavam a Lai como estava a decorrer a guerra entre seitas no território.
Quando a polícia tentou alertar Lai para o plano dos seus rivais, ele não quis cooperar e mentiu sobre o seu paradeiro, disse o mesmo agente da polícia canadiana.
O plano, alegadamente organizado por membros da seita “14K” de Wan Kuok Koi ou “Dente Partido” - o mais famoso chefe do crime em Macau na segunda metade da década de 90, libertado há cerca de três meses depois de cumprir mais de 14 anos de cadeia -, culminou em disparos a partir de um carro contra a casa de Lai no Canadá, em Julho de 1997.
O South China Morning Post refere que Lai era, em 1996, “um dos mais conhecidos líderes de tríades de Macau (da Wo On Lok) e um homem procurado por lutar contra a seita 14K”.
Lai, que não é fotografado em público há 15 anos, não compareceu na audiência de terça-feira em Vancouver, tendo tido autorização para participar por teleconferência a partir de uma morada em Macau que não foi revelada.
Porém, falou apenas para confirmar a sua identidade e que conseguia ouvir a audiência, referiu ainda o South China Morning Post, acrescentando que não se sabe porque é que Lai se encontra em Macau.
O advogado de Lai alega que o agente da polícia canadiana não fala cantonense, nunca visitou Macau ou discutiu o caso de Lai com as autoridades de Macau e Hong Kong e que o alegado papel de Lai na guerra das seitas em 1996 foi exagerado.

JTM/Lusa

 


 [Alto] [Anterior] [Voltar] [Próximo]




HOME  .  E-MAIL  .  FICHA TÉCNICA  .  EDIÇÕES ANTERIORES  .  PUBLICIDADE  .  PRIMEIRA

Copyright (c) Jornal Tribuna de Macau, All rights reserved
Design and maintainence by Directel Macau Ltd