000primeira
020opiniao
030local
050desporto
081jete
090cambios
091tempo
092ultima


 



 
  N°3273 (Nova Série), Segunda-Feira, 21 de Setembro de 2009
CONSIDERA ANABELA RITCHIE
Participação da população revela “vitalidade” das comunidades

Anabela Ritchie entende que a participação cívica demonstra a “vitalidade” das diferentes comunidades. E, neste contexto, “haver vozes dentro de um órgão como a Assembleia Legislativa é importantíssimo”, defende

A participação cívica da população de Macau nas eleições legislativas revela a “vitalidade” das várias comunidades do território, considera a antiga presidente da Assembleia Legislativa, Anabela Ritchie.
“Acho que [as eleições] são importantes porque revelam a vitalidade das várias comunidades existentes em Macau e todas elas participam, cada uma com aquilo que consideram importante no debate de questões que dizem respeito a toda a população”, afirmou Anabela Ritchie em declarações à agência Lusa.
Afastada da vida política local por vontade própria – depois de ter cumprido, até 2001, seis mandatos de deputada –, Anabela Ritchie recorda que os temas que a comunidade portuguesa tem discutido em ambientes mais restritos são hoje uma preocupação mais alargada da comunidade.
“Quanto a nós, comunidade portuguesa, tem havido temas discutidos entre nós, em grupos pequenos, mas neste momento as coisas são debatidas já num contexto e âmbito diferentes, como o debate sobre temas relacionados com a língua, a educação, a cultura, a saúde, a identidade, como mantê-la em Macau num meio que é cada vez mais chinês, e qual o contributo que podemos dar para o Macau de hoje e de amanhã”, disse.
A mesma responsável salientou ainda a “importância” dos portugueses, além de discutirem temas gerais de preocupação das diversas comunidades de Macau, também se debruçarem sobre problemas que são específicos da comunidade. “Só espero, como está prometido, que a plataforma que se construiu – “Voz Plural, Gentes de Macau” – tenha continuidade e que periodicamente sejamos chamados a discutir problemas que são exclusivamente nossos ou de toda a população”, disse, ao sublinhar que “haver vozes portuguesas dentro de um órgão como a Assembleia Legislativa é importantíssimo”.
Apesar de estar fora da política, Anabela Ritchie confessa que tem “saudades [da política] de vez em quando”, mas ressalva que o que mais sente falta é do “convívio com os amigos, com os deputados e colaboradores, do debate de ideias e principalmente do entusiasmo na procura de soluções em que vivíamos embrenhados”.
Anabela Ritchie explicou também que saiu para dar lugar aos mais novos e porque “acredita plenamente que há vida além da política”. “Faço hoje coisas que nunca tinha tido oportunidade de fazer ou aprofundar porque tinha o tempo todo ocupado – como, por exemplo, aprender chinês que é uma coisa que me enche as medidas – mandarim, oral e escrito – e tenho-me dedicado à solidariedade social, onde há um mundo de coisas bonitas para fazer e descobrir”, concluiu.

 


 [Alto] [Anterior] [Voltar] [Próximo]




HOME  .  E-MAIL  .  FICHA TÉCNICA  .  EDIÇÕES ANTERIORES  .  PUBLICIDADE  .  PRIMEIRA

Copyright (c) Jornal Tribuna de Macau, All rights reserved
Design and maintainence by Directel Macau Ltd