000primeira
020opiniao
030local
050desporto
081jete
090cambios
091tempo
092ultima


 



 
  N°2926 (Nova Série), Segunda-Feira, 15 de Setembro de 2008
QUATRO ANOS DEPOIS DA ÚLTIMA EDIÇÃO REALIZADA NO TERRITÓRIO
RAEM volta a acolher encontro da AULP em 2010

O encontro anual das Universidades de Língua Portuguesa regressa a Macau em 2010. A edição deste ano terminou na sexta-feira, na Universidade de Brasília, com vários debates em torno de projectos de cooperação entre instituições universitárias de Língua Portuguesa, nomeadamente, nas áreas da Ciência e da Tecnologia

Último encontro da AULP em Macau foi realizado em 2006

Em 2010, Macau vai receber novamente o encontro da Associação das Universidades de Língua Portuguesa (AULP), depois de ter acolhido as edições de 2003 e 2006, confirmou a associação na 18a edição do evento, que reuniu delegações de universidades de nove países e regiões de língua portuguesa e terminou na sexta-feira, na Universidade de Brasília (UnB).
A participação da comitiva da Universidade de Macau (UM), que integrou os docentes Alan Baxter e Maria Antónia Espadinha (Faculdade de Ciências Sociais e Humanas) e Wei Dan (Faculdade de Direito), serviu para explorar formas de uma “cooperação efectiva” com a Universidade Brasília. Isto porque, recentemente, as duas instituições de ensino assinaram um protocolo de cooperação bilateral e intercâmbio académico e estudantil.
Em Brasília esteve também Jorge Rangel, presidente do Instituto Internacional de Macau, instituição que forma o lote de membros locais titulares da AULP juntamente com o Instituto Inter-Universitário, Instituto Politécnico, Instituto de Formação Turística, Universidade Aberta Internacional da Ásia e Universidade de Macau. Macau está ainda representado na AULP pela Associação Promotora da Instrução dos Macaenses e Instituto de Estudos Europeus, na qualidade de membros associados.
ELEIÇÃO. No segundo dia do encontro de Brasília, antes do encerramento da pauta do dia, foi realizada a Assembleia Geral da AULP, com a eleição dos órgãos oficiais, já que na quinta-feira terminava o mandato do Conselho de Administração e do Conselho Fiscal, que é de três anos. O reitor da Universidade Federal de Minas Gerais, Ronaldo Pena, foi eleito o novo presidente do Conselho de Administração.
Apesar do tema central da edição deste ano ter sido “Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento”, houve ainda espaço para uma discussão em torno do Novo Acordo Ortográfico, integrado no debate sobre “Língua, Cultura e Tecnologia”. Segundo explicou ao Portugal Digital o reitor da Universidade do Algarve e presidente da AULP, João Guerreiro, o encontro teve como proposta falar de diferentes temas, como ciência, tecnologia e desenvolvimento, divididos em várias sessões.
Como exemplo, João Guerreiro citou que foram realizadas duas sessões sobre biotecnologia e energia, e uma sessão específica sobre inovação e capacidade das universidades se associarem ao desenvolvimento tecnológico. Houve ainda uma sessão final sobre cooperação internacional na área da ciência e tecnologia. “Casos fortes foram debatidos e até questões teóricas relativas a esta área temática. Ainda ficou no ar a possibilidade de beneficiarmos uns dos outros com estes encontros futuros, no sentido de reforçarmos os projectos que já temos em curso e elaborarmos novos planos para aproximar as universidades de língua portuguesa”, exemplificou.
O professor Nielsen de Paula Pires que, na quinta-feira, representou o reitor da Universidade de Brasília, Roberto Aguiar, no evento, fez as honras da casa e acolheu os visitantes. O professor de Ciências Políticas na UnB — na área da América Latina — realçou a oportunidade da Universidade de Brasília sediar um evento internacional. “Para a UnB foi uma honra muito grande poder receber representantes de universidades que são membros da Associação das Universidades de Língua Portuguesa. Foi um encontro de alto nível e estiveram presentes, por parte do Governo brasileiro, representantes dos ministérios envolvidos” nas áreas em debate, destacou.
Segundo sublinhou o académico, foram discutidos temas de “transcendência” para os vários países representados, com “projetos e planos para o futuro da cooperação, da integração intercultural, das relações que salientam a dignidade humana e também para a maior aproximação entre os nossos povos que vai levar a uma presença política da comunidade que fala português no mundo”.
Na opinião de Nielsen de Paula Pires, um dos temas fortes, que ficou reservado para o último dia, foi a discussão sobre o Novo Acordo Ortográfico. “É uma maneira de ajudar a unificar um instrumento de comunicação básico da nossa comunidade”, considerou. Além disso, “[o Novo Acordo] é um instrumento a mais de comunicação. Temos outros instrumentos como o rádio, a televisão, o telefone, internet, olhares, palavras, gestos e o agora o idioma”, comparou o professor que aposta nos bons resultados do Acordo Ortográfico.
Com 20 anos de atividades, a AULP é organização internacional constituída por 159 universidades e instituições de ensino e pesquisa de nível superior dos oito países de língua oficial portuguesa (Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste), e ainda da RAEM.
A associação trabalha para promover a cooperação entre instituições por meio do intercâmbio de professores, pesquisadores e estudantes, estimular a reflexão sobre a função do ensino superior e o desenvolvimento de projectos conjuntos de investigação científica e tecnológica, bem como o intercâmbio de informação. Além disso, a AULP promove ainda a articulação entre os seus membros e associados no fortalecimento da língua portuguesa.


 [Alto] [Anterior] [Voltar] [Próximo]




HOME  .  E-MAIL  .  FICHA TÉCNICA  .  EDIÇÕES ANTERIORES  .  PUBLICIDADE  .  PRIMEIRA

Copyright (c) Jornal Tribuna de Macau, All rights reserved
Design and maintainence by Directel Macau Ltd