000primeira
010especial
020opiniao
030local
070actual
081jete
090cambios
091tempo
092ultima


 



 
  N°2836 (Nova Série), Ter¬a-Feira, 17 de Junho de 2008
SITUAÇÃO PODE AGRAVAR-SE NOS PRÓXIMOS DIAS

Chuvas levam à evacuação de 70 mil na zona do sismo

Cerca de 70 mil pessoas que vivem na zona do epicentro do sismo que atingiu a China no mês passado começaram as evacuações de emergência devido ao perigo de deslizamentos provocados pelas chuvas fortes

Chuvas torrenciais têm atingido grande parte do leste e do sul do país na última semana, lançando um alerta de inundações do Rio das Pérolas e do Rio Yangtze que pode agravar a situação nas zonas que ficaram destruídas depois do forte sismo em Maio.
Os sobreviventes do sismo começaram a abandonar a região de Wenchuan, no sudoeste do país, no domingo, perante a ameaça de derrocadas de rochas e lama na região montanhosa que pode resultar das chuvas torrenciais que há dez dias não param de cair no sul do país, referiu o jornal oficial Beijing News.
“Wenchuan já entrou na estação das chuvas e a chuva vai enfraquecer ainda mais as zonas montanhosas enfraquecidas pelo sismo, tornando a situação ainda pior”, indicou o jornal, citando fontes da região.
Wenchuan foi o epicentro do sismo de dia 12 de Maio que devastou totalmente algumas zonas da província de Sichuan, provocando a morte a 87 mil pessoas e deixando cinco milhões de pessoas sem casa.
A região ficou seriamente destruída e as operações de resgate e de entrega de bens de auxílio depois do sismo foram dificultadas devido às áreas montanhosas de difícil acesso.
Segundo as previsões do Instituto de Meteorologia, Wenchuan deverá esperar trovoada e chuvas fortes nos próximos dois dias, o que vai provocar o aumento do nível das águas dos rios ameaçando as províncias de Jiangxi, Guangxi e Guangdong.
As chuvas torrenciais que caem no sul do país há dez dias seguidos já provocaram a morte a 57 pessoas e afectaram, segundo o governo, milhões de pessoas em nove províncias do sul do país - Zhejiang, Anhui, Jiangxi, Hubei, Hunan, Guangdong, Guizhou, Yunnan e Guangxi Zhuang.
Mais de 1,27 milhões de pessoas abandonaram as suas casas nessas províncias, onde mais de 900 hectares de colheitas foram destruídos e os prejuízos económicos já estão avaliados em mais 10 mil milhões de renminbi.
Guangdong continua em alerta total devido ao aumento do caudal dos rios rios Xijiang e Beijiang que pode convergir nas próximas horas na cidade de Foshan, provocando ainda mais danos.
Mais de 18 milhões de pessoas foram afectadas pelas cheias e mais de 141 mil casas ficaram destruídas ou danificadas, de acordo com o governo chinês que já lançou o estado de emergência para prevenir as cheias junto do Rio das Pérolas e do Rio Yangtze.
Só na região autónoma de Guangxi Zhuang, a tempestade causou derrocadas e inundações que afectaram 6,8 milhões de pessoas e obrigaram à evacuação de 838.800, segundo as autoridades locais.
A destruição de colheitas teve como consequência uma nova subida do preço dos vegetais em algumas províncias devido à redução da oferta.
No sábado, na província de Guangdong, o preço dos vegetais subiu 70 por cento.


 [Alto] [Anterior] [Voltar] [Próximo]




HOME  .  E-MAIL  .  FICHA TÉCNICA  .  EDIÇÕES ANTERIORES  .  PUBLICIDADE  .  PRIMEIRA

Copyright (c) Jornal Tribuna de Macau, All rights reserved
Design and maintainence by Directel Macau Ltd