000primeira
010especial
020opiniao
030local
070actual
081jete
090cambios
091tempo
092ultima


 



 
  N°2836 (Nova Série), Ter¬a-Feira, 17 de Junho de 2008

Equipa da ONU retoma investigação sobre crimes de 1999 em Timor

Especialistas das Nações Unidas reabriram no terreno a investigação dos crimes mais graves cometidos em 1999 em Timor-Leste

A Equipa de Investigação de Crimes Graves (SCIT, na sigla inglesa) das Nações Unidas recomeçou a actividade no terreno e está a investigar os casos mais graves de violência cometida em Timor-Leste em 1999, explicou o magistrado polaco Marek Michon, que dirige o grupo, em declarações à agência Lusa.
A SCIT continua o trabalho e tem um mandato semelhante ao da Unidade de Crimes Graves (SCU) que existia no seio da Procuradoria-Geral da República até ao final de 2004.
“Apesar de sermos parte da missão das Nações Unidas no país, a SCIT trabalha sob a supervisão e a direcção da PGR”, adiantou Marek Michon.
A SCIT, porém, tem apenas competências de investigação, um mandato mais limitado do que o da SCU, que podia também abrir processos judiciais, uma competência que era inerente ao facto de ser parte da PGR timorense.
A reabertura da investigação dos crimes de 1999 foi objecto de um memorando de entendimento com o Governo timorense, longamente negociado, assinado em Fevereiro de 2008, que permitiu à nova SCIT ter acesso ao arquivo dos processos que a SCU deixou em 2004.
Os meses seguintes, segundo Marek Michon, foram gastos na inventariação (recuperando os ficheiros, as provas físicas, provas forenses, amostras de DNA e a base de dados) e na análise de cada um dos 511 casos “congelados” desde 30 de Novembro de 2004, data em que a SCU suspendeu todas as suas investigações.
Após a inventariação e análise, a SCIT ficou finalmente em condições de definir um plano de investigação, que pôs em prática nas últimas semanas em vários distritos do país.
Marek Michon afirmou que, nos últimos três anos, não houve investigação substancial aos crimes de 1999, entre outras razões porque a crise política e militar de 2006 sobrecarregou o sistema judicial com novos casos, mais urgentes.
“É fácil de perceber que os ficheiros da SCU não foram quase mexidos nem usados desde 2005, porque a PGR tem falta de investigadores”, ressalvou Marek Michon.
A SCIT conta com 27 especialistas internacionais e 22 timorenses, dirigidos pelo investigador-principal, Marek Michon, com cinco equipas regionais operando a partir da sede em Díli e de escritórios em Baucau, Maliana e Suai. Em Díli, funciona o serviço principal da SCIT e o Laboratório de Antropologia Forense.
“Queremos completar os casos que já estavam abertos”, explicou Marek Michon. “É um dos critérios do plano de investigação, além da gravidade dos crimes cometidos”.
“A nossa investigação estabelece os factos e é com base neles que a Procuradoria decide o que fazer, se arquivar ou abrir processo”, referiu o magistrado polaco, salientando a “cooperação modelo” da SCIT com a PGR timorense.
Marek Michon adiantou que a SCIT e a PGR “têm quase concluído um plano que resolverá o problema da falta de um laboratório de DNA no país”.
Em relação ao trabalho da SCU, o chefe da SCIT explicou que a maior parte da investigação anterior não envolveu patologia forense nem antropologia forense e que “o que se fazia não era uma autópsia total, mas uma observação de restos mortais”.
A SCU foi estabelecida no ano 2000, sob a Autoridade de Transição das Nações Unidas para Timor-Leste (UNTAET), meses após o referendo de 30 de Agosto de 1999, para investigar a violência associada à consulta popular e cometida sobretudo por milícias pró-indonésias.
O mandato da SCIT abrange todos os crimes cometidos no mesmo período que o da SCU, entre 01 de Janeiro e 25 de Outubro de 2000.
A SCU investigou e produziu acusações em 572 (ou quarenta por cento) dos 1400 crimes registados entre Janeiro e Outubro de 1999. De entre esses crimes, 95 acusações foram abertas junto do Painel Especial para Crimes Graves do Tribunal Distrital de Díli, envolvendo 391 arguidos.
O Painel Especial condenou um total de 84 acusados e ilibou três, presumindo-se que 303 dos arguidos se encontra fora de Timor-Leste.


 [Alto] [Anterior] [Voltar] [Próximo]




HOME  .  E-MAIL  .  FICHA TÉCNICA  .  EDIÇÕES ANTERIORES  .  PUBLICIDADE  .  PRIMEIRA

Copyright (c) Jornal Tribuna de Macau, All rights reserved
Design and maintainence by Directel Macau Ltd