000primeira
020opiniao
030local
050desporto
081jete
090cambios
091tempo
092ultima


 



 
  N°2587 (Nova Série), Ter¬a-Feira, 25 de Setembro de 2007
uma cidade em festa
VENDAS REGISTAM AUMENTO SIGNIFICATIVO FACE AO ANO PASSADO
Apego à tradição deixa
pastelarias sem mãos a medir

As pastelarias de Macau registaram este ano aumentos que chegam aos 50 por cento no volume de vendas de bolos lunares, facto que os comerciantes atribuem à prosperidade económica e à força de uma tradição que se perde no tempo

BI YUMING

Este ano as vendas de bolos lunares são superiores em 50 por cento às do ano passado, revelou ao JTM a responsável da pastelaria “Choi Heong Yuen”, na Avenida de Almeida Ribeiro, atribuindo o aumento da procura ao crescimento económico de Macau.

“Com uma carteira mais recheada, é claro que as pessoas querem gastar mais nos bolos lunares”, explicou a responsável, Wong Yen Er, frisando que um único cliente do estabelecimento chegou a comprar 50 caixas. “Por outro lado, este ano há mais companhias que conseguiram bons negócios. Temos muitos clientes empresariais, incluindo casinos e lojas, tanto chineses como estrangeiros, que compraram bolos lunares para dar aos seus funcionários e clientes, como foi o caso da STDM”, indicou Wong Yen Er, acrescentando que chegou a registar uma reserva de mil caixas da parte de uma empresa.  

Segundo Wong, os preços do bolo lunar atingiram este ano as 45 patacas por unidade, o que representa um aumento ligeiro, que a mesma responsável justificou com o aumento dos produtos alimentares usados na confecção. “Temos a maior cotação do mercado de bolos lunares”, assegurou Wong, salientando que as pessoas “têm mais confiança numa marca com uma história que tem mais de 70 anos”.

A prosperidade económica também foi a principal explicação dada pelo gerente-geral do “Haagen-Daz”, Tom Cheang, para interpretar um crescimento de 30 por cento nas vendas de bolos no estabelecimento, comparativamente a igual período de 2006. Para além disso, o gerente salienta que a especialidade dos seus produtos, com destaque para o bolo lunar com recheio de gelado e cobertura de chocolate, é um factor importante para atrair os clientes. “Os nossos produtos deixam sempre às pessoas uma impressão mais profunda, por isso, é uma boa escolha para prendas”, disse Tom Cheang.

“Os nossos bolos são relativamente mais caros,” admitiu o gerente geral da “Haagen-Daz”, notando porém que “o género mais caro, vendido a 768 patacas por caixa - com oito bolos- foi esgotado mais rapidamente, duas semanas após o lançamento”. De acordo com o mesmo responsável, a loja de Macau da conhecida marca de gelados teve este ano um acréscimo de 40 por cento no número de reservas para os produtos importados de Hong Kong. “Com uma situação económica tão boa como a actual, vou aumentar em 30 por cento as reservas para o próximo ano”, adiantou.

QUEIXUMES E ELOGIOS. Apesar da elevada procura pelos bolos lunares, também há quem não encare a época festiva com o mesmo optimismo. “Só espero que a tradição de comer o bolo lunar termine o mais breve possível”, confessou Vicky Lam, uma funcionária administrativa, que transportava um saco com uma caixa de bolo lunar. “É uma oferta de um amigo, mas também comprei algumas caixas, quatro ou cinco, para dar a outros amigos e colegas”, explicou ao JTM, frisando que a festividade obriga a perder algum tempo na escolha das prendas.

“Para as pessoas mais jovens vou comprar os bolos especiais, mas para os idosos a minha escolha passa pelas marcas tradicionais”, disse Lam, considerando isso é muito complicado quando tem muitos outros trabalhos para cumprir.

Além disso, Vicky Lam acha que os preços estão inflacionados, “porque as fábricas gastam muito na embalagem e publicidade”, disse. “Para mim, o festival não é muito especial”, lembrando que, além dos bolos, a festividade também se estende às reuniões familiares, algo que no entanto diz fazer todos os dias.

Já para Zhao Xin Le, um aluno de 16 anos do Colégio Diocesano de São José, o festival representa um bom pretexto para a reunião com familiares ou amigos. “Passamos a noite do festival na praia ou em parques, apreciando a lua e servindo várias comidas, incluindo o bolo lunar”, disse Zhao Xin Le, lembrando que quando era criança recebia sempre lanternas no festival lunar. “A minha família reúne-se todos os anos neste dia”, salientou o aluno, confessando que gosta de bolo lunar.

Actualmente, no mercado local existem vários tipos de bolo lunar incluindo os tradicionais com coberta de farinha e diferentes recheios compostos por gema, semente de lótus, carne, nozes, entre outros ingredientes. Segundo uma funcionária da “Maxim’s Cake Shop”, o recheio mais popular é o que apresenta duas gemas, porque na mentalidade chinesa “um par” tem significado positivo.

Para assinalar o festival lunar, as autoridades de Macau vão organizar hoje várias actividades em vários pontos do território, incluindo exposições de lanternas nas praias e parques de lazer.


 [Alto] [Anterior] [Voltar] [Próximo]




HOME  .  E-MAIL  .  FICHA TÉCNICA  .  EDIÇÕES ANTERIORES  .  PUBLICIDADE  .  PRIMEIRA

Copyright (c) Jornal Tribuna de Macau, All rights reserved
Design and maintainence by Directel Macau Ltd