EMPRESÁRIO QUER UMA BOA ESCOLA PORTUGUESA
Stanley Ho garante “financiamento total” à nova EPM

O empresário do sector do jogo Stanley Ho garantiu ontem, em Lisboa, “financiamento total” para a construção das novas instalações da Escola Portuguesa de Macau, que serão erguidas na zona da Barra, no Porto Interior

“Vamos construir em conjunto uma boa escola portuguesa que prestigie a presença de Portugal em Macau e que seja uma instituição para todas as comunidades”, afirmou Stanley Ho, à margem de um encontro na representação de Macau em Portugal.

O empresário disse estar “muito contente” por financiar a escola e, embora não passe cheques em branco em termos de custos, garante que financiará na totalidade “o que for razoável”. “Podem contar com o meu apoio”, afirmou.

Stanley Ho criticou ainda dois deputados da Assembleia Legislativa (cujos nomes não referiu), que afirmaram que a escolha do novo local para a escola portuguesa era errada por ficar em frente do templo de A-Ma, a deusa dos pescadores, que tradicionalmente tem uma visão aberta para o mar.

“Nunca quis uma escola portuguesa junto ao meu casino, porque isso não é o local mais indicado”, disse, salientando que “já mudámos três vezes de local, porque em Macau é muito difícil encontrar um local apropriado”.

Stanley Ho reconheceu que “o local da não era muito justo para os estudantes portugueses, macaenses e chineses”, mas adiantou que, “quando finalmente encontrámos um local muito bom levantam problemas por causa do feng-shui”.

“Mas qual é o problema? – interrogou-se, assinalando que “durante os 60 anos que estou em Macau já ali houve perto uma casa de apostas e o templo continuou a ser muito frequentado por religiosos chineses.”

Stanley Ho conclui comentando que “os deputados devem legislar e não estarem preocupados com o feng-shui”.

S. T.